Não deixe de procurar ajuda Médica e Psicológica!

Antídodos Espíritas contra a Depressão e o Suicídio!
Divórcio - Suicídio - Aborto - Desencarnação

Divórcio - Suicídio - Aborto - Desencarnação Precoce

 

1 - Compreendendo que muitos casamentos resultam em uniões infelizes e, às vezes,  até mesmas profundamente antipáticas, induzindo os cônjuges ao divórcio, como  interpretar a fase de atração recíproca, repleta de alegria e esperança, que  caracterizou o namoro e o noivado?


Emmanuel - Qualquer pessoa que aspire um título elevado passa pela fase de  encantamento. Esfalfa-se o professor pela ascensão à cátedra. Conseguido o  certificado de competência, é imperioso entregar-se ao estudo incessante para  atender às exigências do magistério. Esforça-se o acadêmico pela conquista do  diploma que lhe autoriza o exercício da profissão liberal. Laureado pela  distinção, sente-se compelido a trabalho infatigável, de modo a sustentar-se na  responsabilidade em que anela viver.

Assim, também, o matrimônio.

 

2 - Como interpretar as contrariedades e desgostos domésticos?

Emmanuel - O homem e a mulher aguardam o casamento, embalados na melodia do  sonho, entretanto, atingida a convivência no lar, surgem as obrigações,  decorrentes do pretérito, através do programa de serviço traçado para cada um de  nós pela reencarnação, que nos compele a retomar, na intimidade, todos os nossos  erros e desacertos.

Fácil, dessa forma, reconhecer que todas as dificuldades domésticas são impeços,  trazidos por nós próprios, das existências passadas.

 

3 - De modo geral, quem é, nas leis do destino, o marido faltoso?

Emmanuel - Marido faltoso é aquele mesmo homem que, um dia, inclinamos à  crueldade e à mentira.

 

4 - E a esposa desequilibrada?

Emmanuel - Esposa desequilibrada é aquela mulher que, certa feita, relegamos à  necessidade e à viciação.

 

5 - Que são os filhos-problemas?

Emmanuel - Filhos-problemas são aqueles mesmos espíritos que prejudicamos,  desfigurando-lhes o caráter e envenenando-lhes os sentimentos.

 

6 - Qual a função essencial do lar e da família?

Emmanuel - No caminho familiar, purificam-se impulsos e renovam-se decisões. Nele  encontramos os estímulos ao trabalho e as tentações que nos comprovam as  qualidades adquiridas, as alegrias que nos alentam e as dores que nos corrigem.

 

7 - Como é encarado o divórcio nos planos superiores do Espírito?

Emmanuel - O divórcio, conquanto às vezes necessário, não é caminho salvador  quando lutas se agravem. Ninguém colhe flores do plantio de pedras. Só o tempo  consegue dissipar as sombras que amontoamos com o tempo. Só o perdão  incondicional apaga as ofensas; apenas o bem extingue o mal.

 

8 - Existem casos francamente insolúveis nos casamentos desventurados; não será o  divórcio o mal menor para evitar maiores males?

Emmanuel - Muitos dizem que o divórcio é válvula de escape para evitar o crime e  não ousamos contestar. Casos surgem nos quais ele funciona, por medida  lamentável, afastando males maiores, qual amputação que evita a morte, mas será  sempre quitação adiada, à maneira de reforma do débito contraído.

 

9 - Por mais ríspidas se façam as lutas, no casamento, é melhor permanecer dentro  dele?

Emmanuel - Pagar é libertar-se, aprender é assimilar a lição.

 

10 - Quais são as piores conseqüências das ligações carnais desditosas, além  daquelas que se apresentam nos sofrimentos das frustrações ou lesões emotivas?

Emmanuel - É forçoso observar que da afeição sexual descontrolada surgem muitas  calamidades para a vida do Espírito, dentre as quais destacaremos, a par da  fascinação ou do ódio, nos problemas da obsessão, o suicídio e o aborto, como  sendo as mais lastimáveis.

 

11 - Como é interpretado o aborto nos planos superiores da Vida Espiritual?

Emmanuel - O aborto provocado, mesmo diante de regulamentos humanos que o  permitam, é um crime perante as Leis de Deus.

 

12 - Quais os resultados imediatos do aborto para as mães e pais que o praticam?

Emmanuel - Praticando o aborto, mães e pais cruéis ou irresponsáveis afastam de  si mesmos os recursos de reabilitação e felicidade que lhes iluminariam, mais  tarde, os caminhos, seja impedindo a reencarnado de Espíritos amigos que lhes  garantiriam a segurança e o reconforto ou impedindo o renascimento de antigos  desafetos, com os quais poderiam adquirir a própria tranqüilidade pela solução de  velhas contas.

 

13 - O aborto oferece conseqüências dolorosas especiais para as mães?

Emmanuel - O aborto oferece funestas intercorrências para as mulheres que a ele  se submetem, impelindo-as à desencarnação prematura, seja pelo câncer ou por  outras moléstias de formação obscura, quando não se anulam os aflitivos processos  de obsessão.

 

14 - E para os pais?

Emmanuel - Os pais que cooperam nos delitos do aborto, tanto quanto os  ginecologistas que o favorecem, vêm a sofrer os resultados da crueldade que  praticam, atraindo sobre as próprias cabeças os sofrimentos e os desesperos das  próprias vítimas, relegadas por eles aos percalços e sombras da vida espiritual  de esferas inferiores.

 

15 - As criaturas que se suicidaram em razão das desilusões encontradas nas  ligações afetivas, agravam os sofrimentos de outrem, além dos sofrimentos que  elas próprias encontram?

Emmanuel - Muitos Espíritos fracos, que por razões de infelicidade na afeição  sexual atiram-se ao suicídio, encontram padecimentos gigantescos, como quem salta  no escuro sobre precipícios de brasas, criando derivações de angústia para os  causadores de semelhantes tragédias.

 

16 - Os casos de suicídio nas uniões carnais infelizes agravam provas em  casamentos futuros?

Emmanuel - Quantos violam a passagem da morte, crendo erroneamente alcançar o  repouso, nada mais encontram senão suplício e desespero, a gerarem, no âmago de  si mesmos, os pavorosos conflitos, que apenas as reencarnações regenerativas  conseguem remediar.

Saibamos tolerar com paciência as provações que o mundo nos ofereça, criando o  bem sobre todos os males que nos cheguem das existências que já vivemos, na  convicção de que fugir ao dever – por mais doloroso seja o dever que nos caiba –  será sempre abraçar o pior. Em quaisquer atribulações ou dificuldades, a nossa  obrigação individual é fazer o melhor ao nosso alcance para que o bem triunfe.

 

17 - Que fazer para extinguir os males evidentes das ligações afetivas  inconsideradas e desditosas?

Emmanuel - Em todos os departamentos da luta humana, os compromissos do passado  reaparecem. Indispensável revestir-se a alma de forças para vencer, em si mesma,  os pontos vulneráveis que, em outro tempo, a fizeram cair.

 

18 - Qual a direção pessoal que devemos adotar para vencer os dissabores do lar  infeliz?

Emmanuel - Evitemos o divórcio, tanto quanto possível, e combatemos o aborto e o  suicídio com todos os recursos de raciocínio e esclarecimento de que possamos  dispor.

O divórcio adia o resgate.

O aborto complica o destino.

O suicídio agrava todos os sofrimentos.

 

EMMANUEL 

(Do livro “Leis Do Amor”, Francisco Cândido Xavier E Waldo Vieira) 

 

 

* * *

 

 

1 - Qual é a conduta afetiva entre as almas enobrecidas?

André Luiz - Quanto mais elevado o grau de aprimoramento da alma, mais reclamará  espontaneamente de si própria a necessária disciplina das energias do mundo  afetivo, somente despendendo-as no circuito de forças em que se completa com a  alma a que se encontra consorciada, ou, então, em serviço nobre, através do qual  opera a evasão das cargas magnéticas de seus impulsos genésicos, transferindo-as  para o trabalho em que se lhe projetam a sensibilidade e a inteligência.

Isso acontece no plano físico, entre aqueles cujo sistema psíquico já se  distanciou suficientemente das emoções vulgares, ajustando-se em complementação  fluídica ideal as almas irmãs que se matrimoniam.

Interrompida a aliança física na esfera carnal, por interferência da morte, o  homem ou a mulher, consagrados à sublimação íntima, se associam, quase sempre, à  companheira ou ao companheiro levados à viuvez, em construtivas simbioses de  ação, seja no amparo aos filhos, ainda necessitados de assistência, ou na  extensão de obras edificantes, porquanto os espíritos que verdadeiramente se amam  desconhecem o que seja abandono ou esquecimento.

Atentos ao mesmo princípio de aprimoramento, aqueles que ajustam em matrimônio  superior, no Plano Espiritual, permutam as próprias forças, em constante circuito  energético, pela qual atendem a vastíssimas obras de benemerência, na criação  mental de valores necessários ao progresso comum, dentro da euforia permanente  que o amor sublime lhes confere. E, em lhes faltando a companhia, por intermédio  da qual se integram nos mais altos ideais de burilamento e beleza, mobilizam as  próprias cargas magnéticas criadoras em serviço à coletividade, com o que se  elevam mais intensamente na escala da sublimação moral, ou, então - o que é mais  freqüente - buscam olvidar as próprias possibilidades de maior ascensão,  solicitando posições apagadas e humildes ao pé daqueles a quem se devotam, a fim  de ajudá-los na execução das tarefas que lhe foram assinaladas ou no pagamento  das dívidas com que ainda se oneram perante a Lei.

 

2 - Poderíamos receber algumas noções acerca do matrimônio, bem como do divórcio  no Plano Físico, examinados espiritualmente?

André Luiz - Nas esferas elevadas, as almas superiores identificam motivo de  honra no serviço de amparo aos companheiros menos evolvidos que estagiam nos  planos inferiores.

Não podemos olvidar que, na Terra, o matrimônio pode assumir aspectos variados,  objetivando múltiplos fins. Em razão disso, acidentalmente, o homem ou a mulher  encarnados podem experimentar o casamento terrestre diversas vezes, sem encontrar  a companhia das almas afins com as quais realizariam a união ideal. Isso porque,  comumente, é preciso resgatar essa ou aquela dívida que contraímos com a energia  sexual, aplicada de maneira infeliz, ante os princípios de causa e efeito.

Entretanto, se o matrimônio expiatório ocorre em núpcias secundárias, o cônjuge  liberado da veste física, quando se ajuste à afeição nobre, freqüentemente se  coloca a serviço da companheira ou do companheiro na retaguarda, no que exercita  a compreensão e o amor puro. Quanto à reunião no Plano Espiritual, é razoável se  mantenha aquela em que prevaleça a conjunção dos semelhantes, no grau mais  elevado da escala de afinidades eletivas. Se os viúvos e as viúvas das núpcias  efetuadas em grau menor de afinidade demonstram sadia condição de entendimento,  são habitualmente conduzidos, depois da morte, ao convívio do casal restituído à  comunhão, desfrutando posição análoga à dos filhos queridos junto dos pais  terrenos, que por eles se submetem aos mais eloqüentes e multifários testemunhos  de caridade e sacrifício pessoal para que atendam, dignamente, à articulação dos  próprios destinos.

Contudo, se a desesperação do ciúme ou a nuvem do despeito enceguecem esse ou  aquele membro da equipe fraterna, os cônjuges reassociados no plano superior  amparam-lhe a reencarnação, à maneira de benfeitores ocultos, interpretando-lhes  a rebelião por sintoma enfermiço, sem lhes retirar o apoio amigo, até que se  reajustem no tempo.

Ninguém veja nisso inovação ou desrespeito ao sentimento alheio, porquanto o lar  terrestre enobrecido, se analisado sem preconceitos, permanece estruturado nessas  mesmas bases essenciais, de vez que os pais humanos recebem , muitas vezes, por  filhos e filhas, aqueles mesmos laços do passado, com os quais atendem ao resgate  de antigas contas, purificando emoções, renovando impulsos, partilhando  compromissos ou aprimorando relações afetivas de alma para alma. É nessa condição  que em muitas circunstâncias surgem nas entidades renascentes, sem que o véu da  reencarnação lhes esconda de todo a memória, as psiconeuroses e fixações  infanto-juvenis, cuja importância na conduta sexual da personalidade é exagerada  em excesso pelos sexólogos e psicanalistas da atualidade, carentes de mais amplo  contato com as realidades do Espírito e da reencarnação, que lhe permitiriam  ministrar aos seus pacientes mais efetivo socorro de ordem moral.

Quanto ao divórcio, segundo os nossos conhecimentos no Plano Espiritual, somos de  parecer não deva ser facilitado ou estimulado entre os homens, porque não existem  na Terra uniões conjugais, legalizadas ou não, sem vínculos graves no princípio  da responsabilidade assumida em comum.

Mal saídos do regime poligâmico, os homens e as mulheres sofrem-lhe ainda as  sugestões animalizantes e, por isso mesmo, nas primeiras dificuldades da tarefa a  que foram chamados, costumam desertar dos postos de serviço em que a vida os  situa, alegando imaginárias incompatibilidades e supostos embaraços, quase sempre  simplesmente atribuíveis ao desregrado narcisismo de que são portadores. E com  isso exercem viciosa tirania sobre o sistema psíquico do companheiro ou da  companheira mutilados ou doentes, necessitados ou ignorantes, após explorar-lhes  o mundo emotivo, quando não se internam pelas aventuras do homicídio ou do  suicídio espetaculares, com a fuga voluntária de obrigações preciosas.

É imperioso, assim, que a sociedade humana estabeleça regulamentos severos a  benefício de nossos irmãos contumazes na infidelidade aos compromissos assumidos  consigo próprios, a benefício deles, para que não se agreguem a maior desgoverno,  e a benefício de si mesma, a fim de que não regresse à promiscuidade aviltante  das tabas obscuras, em que o princípio e a dignidade da família ainda são  plenamente desconhecidos.

Entretanto, é imprescindível que o sentimento de humanidade interfira nos casos  especiais, em que o divórcio é o mal menor que possa surgir entre os grandes  males pendentes sobre a fronte do casal, sabendo-se, porém, que os devedores de  hoje voltarão amanhã ao acerto das próprias contas.

 

3 - Como compreenderemos os casos de gestação frustrada quando não há Espírito  reencarnante para arquitetar as formas do feto?"

André Luiz - Em todos os casos em que há formação fetal, sem que haja a presença  de entidade reencarnante, o fenômeno obedece aos moldes mentais maternos.

Dentre as ocorrências dessa espécie há, por exemplo, aquelas nas quais a mulher,  em provação de reajuste do centro genésico, nutre habitualmente o vivo desejo de  ser mãe, impregnando as células reprodutivas em elevada percentagem de atração  magnética, pela qual consegue formar com o auxílio da célula espermática um  embrião frustrado que se desenvolve, embora inutilmente, na medida de intensidade  do pensamento maternal, que opera, através de impactos sucessivos, condicionando  as células do aparelho reprodutor, que lhe respondem aos apelos segundo os  princípios de automatismo e reflexão. Em contrário, há, por exemplo, os casos em  que a mulher, por recusa deliberada à gravidez de que já se acha possuída,  expulsa a entidade reencarnante nas primeiras semanas de gestação, desarticulando  os processos celulares da constituição fetal e adquirindo, por semelhante  atitude, constrangedora dívida ante o Destino. 

 

4 - Reconhecendo-se que os crimes do aborto provocado criminosamente surgem, em  esmagadora maioria, nas classes mais responsáveis da comunidade terrestre, como  identificar o trabalho expiatório que lhes diz respeito, se passam quase  totalmente despercebidos da justiça humana?

André Luiz - Temos no Plano Terrestre cada povo com seu código penal apropriado à  evolução em que se encontra, mas, considerando o universo em sua totalidade como  o Reino Divino, vamos encontrar o Bem do Criador para todas as criaturas, como  Lei Básica, cujas transgressões deliberadas são corrigidas no próprio infrator,  com o objetivo natural de conseguir-se, em cada círculo de trabalho no Campo  Cósmico, o máximo de equilíbrio com o respeito máximo aos direitos alheios,  dentro da mínima quota de pena.

Atendendo-se, no entanto, a que a Justiça Perfeita se eleva, indefectível, sobre  o Perfeito Amor, no hausto de Deus "em que nos movemos e existimos", toda  reparação, perante a Lei Básica a que nos reportamos, se realiza em termos de  vida eterna e não segundo a vida fragmentária que conhecemos na encarnação  humana, porquanto, uma existência pode estar repleta de acertos e desacertos,  méritos e deméritos e a Misericórdia do Senhor preceitua, não que o delinqüente  seja flagelado, com extensão indiscriminada de dor expiatória, o que seria  volúpia de castigar nos tribunais do destino, invariavelmente regidos pela  Equidade Soberana, mas sim que o mal seja suprimido de suas vítimas, com a  possível redução de sofrimento.

Desse modo, segundo o princípio universal do Direito Cósmico e expressar-se,  claro, nos ensinamentos de Jesus que manda conferir "a cada um de acordo com as  próprias obras", arquivamos em nós as raízes do mal que acalentamos para  extirpá-las à custa do esforço próprio, em companhia daqueles que se nos afinem à  faixa de culpa, com os quais, perante a Justiça Eterna, os nossos débitos jazem  associados.

À face de semelhante fundamentos, certa romagem na carne, entremeada de créditos  e dívidas, pode terminar com aparências de regularidade irrepreensível para a  alma que desencarna, sob o apreço dos que lhe comungam a experiência, seguindo-se  de outra em que essa mesma criatura assuma a empreitada do resgate próprio,  suportando nos ombros as conseqüências das culpas contraídas diante de Deus e de  si mesma, afim de reabilitar-se ante a Harmonia Divina, caminhando, assim,  transitoriamente, ao lado de espíritos incursos em regeneração da mesma espécie.

É dessa forma que a mulher e o homem, acumpliciados nas ocorrências do aborto  delituoso, mas principalmente a mulher, cujo grau de responsabilidade nas faltas  dessa natureza é muito maior, à frente da vida que ela prometeu honrar com  nobreza, na maternidade sublime, desajustam as energias psicossomáticas, com mais  penetrante desequilíbrio do centro genésico, implantando nos tecidos da própria  alma a sementeira de males que frutescerão, mais tarde, em regime de produção a  tempo certo.

Isso ocorre não somente porque o remorso se lhes entranhe no ser, à feição de  víbora magnética, mas também porque assimilam, inevitavelmente, as vibrações de  angústia e desespero e, por vezes, de revolta e vingança dos Espíritos que a Lei  lhes reservara para filhos do próprio sangue, na obra de restauração do destino.

No homem, o resultado dessas ações aparece, quase sempre, em existência imediata  àquela na qual se envolveu em compromissos desse jaez, na forma de moléstias  testiculares, disendocrinias diversas, distúrbios mentais, com evidente obsessão  por parte de forças invisíveis emanadas de entidades retardatárias que ainda  encontram dificuldade para exculpar-lhes a deserção.

Nas mulheres, as derivações surgem extremamente mais graves. O aborto provocado,  sem necessidade terapêutica, revela-se matematicamente seguido por choques  traumáticos no corpo espiritual, tantas vezes quantas se repetir o delito de  lesa-maternidade, mergulhando as mulheres que o perpetram em angústias  indefiníveis, além da morte, de vez que, por mais extensas se lhe façam as  gratificações e os obséquios do Espíritos Amigos e Benfeitores que lhe recordam  as qualidades elogiáveis, mais se sentem diminuídas moralmente em si mesmas, com  o centro genésico desordenado e infeliz, assim como alguém indebitamente admitido  num festim brilhante, carregando uma chaga que a todo instante se denuncia.

Dessarte, ressurgem na vida física, externando gradativamente, na tessitura  celular de que se revestem, a disfunção que podemos nomear como sendo a miopraxia  do centro genésico atonizado, padecendo, logo que reconduzidas ao curso da  maternidade terrestre, as toxemias da gestação. Dilapidado o equilíbrio do centro  referido, as células ciliadas, mucíparas e intercalares não dispõe da força  precisa na mucosa tubária para a condução do óvulo na trajetória  endossalpingeana, nem para alimentá-lo no impulso da migração por deficiência  hormonal do ovário, determinando não apenas os fenômenos da prenhez ectópica ou  localização heterotópica do ovo, mas também certos síndromes hemorrágicos de suma  importância, decorrentes da nidação do ovo fora do endométrio ortotópico, ainda  mesmo quando este já esteja acomodado na concha uterina, trazendo habitualmente  os embaraços da placentação baixa ou a placenta prévia hemorragípara que  constituem, na parturição, verdadeiro suplício para as mulheres portadoras do  órgão germinal em desajuste.

Enquadradas na arritmia do centro genésico, outras alterações orgânicas aparecem,  flagelando a vida feminina, , como sejam o descolamento da placenta eutópica, por  hiperatividade histolítica da vilosidade corial; a hipocinesia uterina,  favorecendo a germicultura do estreptococo ou do genococo, depois das crises  endometríticas puerperais, a salpingite tuberculosa, a degeneração cística do  cório; a salpigooforite, em que o edema e o exsudato fibrinosos provocam a  aderência das pregas da mucosa tubária, preparando campo propício às grandes  inflamações anexiais, em que o ovário e a trompa experimentam a formação de  tumores purulentos que os identificam no mesmo processo de desagregação; os  síndromes circulatórios da gravidez aparentemente normal, quando a mulher, no  pretérito, viciou também o centro cardíaco, em conseqüência do aborto calculado e  seguido por disritmia das forças psicossomáticas que regulam o eixo elétrico do  coração, ressentindo-se, como resultado, na nova encarnação e em pleno surto de  gravidez, da miopraxia do aparelho cardiovascular, com aumento da carga  plasmática na corrente sanguínea, por deficiência no orçamento hormonal, daí  resultando graves problemas da cardiopatia conseqüente.

Temos ainda a considerar que a mulher sintonizada com os deveres da maternidade  na primeira ou, às vezes, até na segunda gestação, quando descamba para o aborto  criminoso, na geração dos filhos posteriores, inocula, automaticamente no centro  genésico e no centro esplênico do corpo espiritual as causas sutis de  desequilíbrio recôndito, a se lhe evidenciarem na existência próxima pela vasta  acumulação do antígeno que lhe imporá as divergências sanguíneas com que asfixia,  gradativamente, através da hemólise, o rebento de amor que alberga carinhosamente  no próprio seio, a partir da segunda ou terceira gestação, porque as enfermidades  do corpo humano, como reflexos das depressões profundas da alma, ocorrem dentro  de justos períodos etários.

Além dos sintomas que abordamos em sintética digressão na etiopatogenia das  moléstias do órgão genital da mulher, surpreenderemos largo capítulo a ponderar  no campo nervoso, à face da hiperexitação do centro cerebral, com inquietantes  modificações da personalidade, a raiarem, muitas vezes, no martirológico da  obsessão, devendo-se ainda salientar o caráter doloroso dos efeitos espirituais  do aborto criminoso, para os ginecologistas e obstetras delinqüentes.

 

Para melhorar a própria situação, que deve fazer a mulher que se reconhece, na  atualidade, com dívidas no aborto provocado, antecipando-se, desde agora, no  trabalho de sua própria melhoria moral, antes que a próxima existência lhe  imponha as aflições regenerativas? 

André Luiz - Sabemos que é possível renovar o destino todos os dias. Quem ontem  abandonou os próprios filhos pode hoje afeiçoar-se aos filhos alheios,  necessitados de carinho e abnegação.

O próprio Evangelho do Senhor, na palavra do Apóstolo Pedro (I Pedro, 4:8),  adverte-nos quanto à necessidade de cultivarmos ardente carinho uns para com os  outros, porque a caridade cobre a multidão de nossos males.

 

5 - Podemos considerar a desencarnação da alma, em plena infância, como sendo uma  punição das Leis Divinas, na maioria das vezes?

André Luiz - Muitas existências são frustradas no berço, não por simples punição  externa da Lei Divina, mas porque a própria Lei Divina funciona em nós, desde que  todos existimos no hausto do Criador.

Freqüentemente, através do suicídio, integralmente deliberado, ou do próprio  desregramento, operamos em nossa alma calamitosos desequilíbrios, quais  tempestades ocultas, que desencadeamos, por teimosia, no campo da natureza  íntima. Cargas venenosas, instrumentos perfurantes, projéteis fulminatórios,  afogamentos, enforcamentos, quedas calculadas de grande altura e multiformes  viciações com que as criaturas responsáveis arruínam o próprio corpo ou o  aniquilam, impondo-lhe a morte prematura, com plena desaprovação da consciência,  determinam processos degenerativos e desajustes nos centros essenciais do  psicossoma, notadamente naqueles que governam o córtex encefálico, as glândulas  de secreção interna, a organização emotiva e o sistema hematopoético.

Ante o impacto da desencarnação provocada, semelhantes recursos da alma entram em  pavoroso colapso, sob traumatismo profundo, para o qual não há termo correlato na  diagnose terrestre.

Indescritíveis flagelações que vão da inconsciência descontínua à loucura  completa, senhoreiam essas mentes torturadas, por tempo variável, conforme as  atenuantes e agravantes da culpa, induzindo as autoridades superiores a  reinterná-las no plano carnal, quais enfermos graves, em celas físicas de breve  duração, para que se reabilitem, gradativamente, com a justa cooperação dos  Espíritos reencarnados, cujos débitos com eles se afinem.

Eis porque um golpe suicida no coração, acompanhado pelo remorso, causará  comumente diátese hemorrágica, com perda considerável da protombina do sangue,  naqueles que renascem para tratamento de recuperação do corpo espiritual em  distonia; o auto-envenenamento ocasionará, nas mesmas condições, deploráveis  desarmonias nas regiões psicossomáticas correspondentes à medula vermelha,  conturbando o nascimento das hemácias, tanto em sua evolução intravascular,  dentro dos sinusóides, como também na sua constituição extravascular, no  retículo, gerando as distrofias congênitas do eritrônio com hemopatias diversas;  os afogamentos e enforcamentos, em identidade de circunstancias, impõem naqueles  que os provocam os fenômenos da incompatibilidade materno-fetal, em que os  chamados fatores Rh, de modo geral, após a primeira gestação, permitem que a  hemolisina alcancem a fronteira placentária, sintonizando-se com a posição  mórbida da entidade reencarnante, a se externarem na eritroblastose fetal, em suas variadas  expressões; e o voluntário esfacelamento do crânio, a queda procurada de grande  altura e as viciações do sentimento e do raciocínio estabelecem no veículo  espiritual múltiplas ocorrências de arritmia cerebral, a se revelarem nos doentes  renascituros, através da eclampsia e da tetania dos lactentes, da hidrocefalia,  da encefalite letárgica, das encefalopatias crônicas, da psicose epilética, da  idiotia, do mongolismo e de várias morboses oriundas da insuficiência glandular.

Claro está que não relacionamos nessa sucinta relação os problemas do suicídio  associado ao homicídio, os quais, muita vez, se fazem seguidos, em reencarnação  posterior do infeliz ato, por lamentáveis reações, com a morte acidental ou  violenta na infância, traduzindo estação inevitável no ciclo do resgate. No que  tange, porém, às moléstias mencionadas, surgem todas elas nos mais diferentes  períodos, crestando a existência do veículo físico, via de regra, desde a vida  "in útero" até os dezoito e vinte anos de experiência recomeçante, e, como vemos,  são doenças secundárias, porquanto a etiologia que lhes é própria reside na  estrutura complexa da própria alma.

Urge ainda considerar que todos os enfermos dessa espécie são conduzidos a outros  enfermos espirituais - os homens e as mulheres que corromperam os próprios  centros genésicos pela delinqüência emotiva ou pelos crimes reiterados do aborto  provocado, em existências do pretérito próximo, para que, servindo na condição de atendentes e guardiães de companheiros que também se conspurcaram perante a  Eterna Justiça, se recuperem, a seu turno, regenerando a si mesmos pelo amoroso  devotamento com que lutam e choram, no amparo aos filhinhos condenados à morte,  ou atormentados desde o berço.

Segundo observamos, portanto, as existências interrompidas no alvorecer do corpo  denso, raramente constituem balizas terminais de prova indispensáveis na senda  humana, porque, na maioria dos sucessos em que se evidenciam, representam cursos  rápidos de socorro ou tratamento do corpo espiritual desequilibrado por nossos  próprios excessos e inconseqüências, compelindo-nos a reconhecer, com o Apóstolo Paulo (I Coríntios, 6:19-20 - Nota do autor), que o nosso instrumento de  manifestação, seja onde for, é templo da Força Divina, por intermédio do qual,  associando corpo e alma, nos cabe a obrigação de aperfeiçoar-nos, aprimorando a  vida, na exaltação constante a Deus.

 

ANDRÉ LUIZ

(Do livro "Evolução em Dois Mundos", Parte II, André Luiz/Chico Xavier/Waldo  Vieira, FEB)

 

 

FONTE:

 

 

http://www.nenossolar.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=636:04-divorcio-suicidio-aborto-desencarnacao-precoce&catid=70:direto-ao-ponto&Itemid=63

« Voltar
Todos os direitos reservados - Suicídio Nunca
Desenvolvimento: Byte a Byte - Soluções Tecnológicas - Hospedagens e desenvolvimento de websites, lojas virtuais, intranets, sistemas e outros